sábado, 30 de agosto de 2014

O Brasil, que é a maior economia da América Latina, entrou em recessão, enfraquecendo ainda mais a posição da presidente Dilma Rousseff em sua campanha de reeleição.
Na sexta-feira, o Instituto Nacional de Estatística do Brasil disse que o produto interno bruto do país (PIB) encolheu 0,6 por cento no segundo trimestre e revisou sua estimativa de crescimento anteriormente positivo para o primeiro trimestre para baixo para -0,2 por cento.
Chegando antes das eleições presidenciais e gerais de outubro no Brasil, esses números irão danificar já baixa confiança na indústria e dos consumidores, que já foi uma potência regional de rápido crescimento.
A contração vem com Rousseff trancado em uma dura luta para conquistar mais um mandato com as mais recentes pesquisas que sugerem uma grande onda de apoio em suporte para rival eleitoral de esquerda de Dilma, Marina Silva.
Uma pesquisa de opinião mostrou pela primeira vez Silva empatando com Rousseff no primeiro turno da eleição, com os dois candidatos que receberam 34 por cento dos votos.Pesquisas anteriores tinham Silva arrastando na primeira rodada.
"Tecnicamente, estamos em crise ... e isso é muito preocupante", disse Silva, acrescentando que "o Brasil precisa recuperar a credibilidade -. Ou seja, a única maneira que vai voltar a crescer"
Enquanto isso, Rousseff minimizou os últimos dados económicos, dizendo que era em parte devido a uma série de feriados que o Governo concedeu, durante o mês de duração Copa do Mundo em junho-julho.
"Eu acho que este resultado é apenas um pontinho. Brasil tem todas as chances de retomada" do crescimento no final do ano, Dilma insistiu.
Enquanto a maioria dos olhos estavam voltados para o futebol, a atividade industrial caiu 1,5 por cento entre abril e junho, enquanto o investimento segundo trimestre caiu 5,3 por cento, os números do IBGE estatísticas nacionais da agência mostrou.
O torneio foi realizado em meio a protestos quase diários. Os críticos dizem que os 11 bilhões de dólares gastos na Copa do Mundo deveria ter sido usado para melhorar a qualidade de vida de milhões de brasileiros pobres.

Fonte:http://www.presstv.ir/



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

O Custo dos Generais


São palavras de um jornalista que não morre de amores pelos militares.


                                                        Os 5 Generais Presidentes. 
Os 5 Generais Presidentes - Autor : jornalista CARLOS CHAGAS

"Erros foram praticados durante o regime militar, eram tempos
difíceis. Claro que, no reverso da medalha, foi promovida ampla
modernização das nossas estruturas materiais. Fica para o historiador
do futuro emitir a sentença para aqueles tempos bicudos."

Mas uma evidência salta aos olhos: a honestidade pessoal de cada um!


Quando Castelo Branco morreu num desastre de avião, verificaram os
herdeiros que seu patrimônio limitava-se a um apartamento em Ipanema e
umas poucas ações de empresas públicas e privadas.


Costa e Silva, acometido por um derrame cerebral, recebeu de favor o
privilégio de permanecer até o desenlace no palácio das Laranjeiras,
deixando para a viúva a pensão de marechal e um apartamento em
construção, em Copacabana.



Garrastazu Médici dispunha, como herança de família, de uma fazenda de
gado em Bagé, mas quando adoeceu precisou ser tratado no Hospital da
Aeronáutica, no Galeão.



Ernesto Geisel, antes de assumir a presidência da República, comprou o
Sítio dos Cinamonos, em Teresópolis, que a filha vendeu para poder
manter-se no apartamento de três quartos e sala, no Rio.



João Figueiredo, depois de deixar o poder, não aguentou as despesas do Sítio do Dragão, em Petrópolis, vendendo primeiro os cavalos e depois a propriedade. Sua viúva, recentemente falecida, deixou um apartamento em São Conrado que os filhos agora colocaram à venda, ao que parece em estado de lamentável conservação.

OBS: foi operado no Hospital dos Servidores do Estado, no Rio.



Não é nada, não é nada, mas os cinco generais-presidentes até podem ter cometido erros, mas não se meteram em negócios, não enriqueceram nem receberam benesses de empreiteiras beneficiadas durante seus governos. 
Sequer criaram institutos destinados a preservar seus documentos ou agenciar contratos para consultorias e palestras regiamente
remuneradas.  
Bem diferente dos tempos atuais, não é?

Acrescento:

Nenhum deles mandou fazer um filme pseudo biográfico, pago com dinheiro público, de auto-exaltação e culto à própria personalidade!

Nenhum deles usou dinheiro público para fazer um parque homenageando a própria mãe.

Nenhum deles usou o hospital Sírio e Libanês.

Nenhum deles comprou avião de luxo no exterior.

Nenhum deles enviou nosso dinheiro para "ajudar" outro país.

Nenhum deles saiu de Brasília, ao fim do mandato, acompanhado por 11 caminhões lotados de toda espécie de móveis e objetos roubados.

Nenhum deles exaltou a ignorância.

Nenhum deles falava errado.

Nenhum deles apareceu embriagado em público.

Nenhum deles se mijou em público.

Nenhum deles passou a apoiar notórios desonestos depois de tê-los chamado de ladrões.


O jornalista, esqueceu de dizer que nenhum deles sustentou amante c/ dinheiro público... 









quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Irã enforca condenado principal na maior fraude bancária


O Irã executou o número um presidiário no maior caso de desvio de fundos na história bancária do país.

De acordo com o Ministério Público de Teerã, Mahafarid Amir-Khosravi foi enforcado no centro de detenção Evin sábado de madrugada. Khosravi foi condenado por perturbar a economia do país através de peculato, lavagem de dinheiro e suborno.Ele havia negado muitas das acusações. Em julho de 2012, um tribunal de Teerã proferida uma sentença de morte para Amir-Khosravi e outros três, incluindo Behdad Behzadi, seu assessor jurídico, Iraj Shoja, seu advogado financeira e Saeed Kiani Rezazadeh, o chefe da o ramo de Ahvaz Saderat Bank. A primeira sessão do tribunal em que o caso foi realizada no dia 18 de fevereiro.
Ex-CEO da iraniana Melli Bank Mohammad Reza Khavari, que é um dos principais suspeitos no caso, está foragido e procurado pela Interpol.
O presidente da sucursal do Melli Bank em Kish recebeu uma sentença de prisão perpétua e Khodamorad Ahmadi, um ex-funcionário envolvido no caso peculato, foi condenado a 10 anos de prisão.
Os demais réus foram proferidas sentenças que variam de chicotadas a pagar multas em dinheiro e sendo impedido de cargo público.
Os réus foram julgados por apropriação indébita de um total de US $ 2,6 bilhões de fundos através de documentos falsos para obtenção de crédito dos bancos para comprar empresas estatais.
Segundo a acusação, os donos da Aria Investment Development Company, que está no centro da controvérsia, havia subornado gerentes de bancos para obter empréstimos e cartas de crédito. A empresa tem mais de 35 ramos ativos em diversas atividades empresariais.

Fonte: http://www.presstv.ir/



Followers

Google+ Followers

Leve nosso QR Code

Leve nosso QR Code