sábado, 1 de novembro de 2014

Promessa de campanha

Extraído do Canal do Otário






E a vaca tossiu!



Eu “juro” que eu tento encontrar alguma notícia boa, onde eu não precise ficar revoltado ainda mais com as mentiras deste governo, mas está difícil aguentar tanta propaganda enganosa!

Foram inúmeras as  promessas mentiras feitas antes das eleições: os juros não iriam subir (subiu, e os banqueiros estão sorrindo de orelha a orelha); o dólar não iria subir (subiu pra cacete); a inflação estaria controlada (estourou a meta do Banco Central em praticamente todos os meses do ano); o país iria crescer (só se for crescimento negativo); não iriam colocar o Armínio Fraga no Ministério da Fazenda (colocaram o Joaquim Levy, que é muito “pior”, obviamente “pior” na visão dos PTralhas). Enfim, essa é uma pequena amostra das mentiras e enganações que aconteceram.

A última mentira do governo está relacionada aos direitos trabalhistas. Antes das eleições, nossa queridíssima presidentA dizia aos quatro ventos que não iria mexer no direito dos trabalhadores. Para quem não acredita, dá uma olhadinha no Twitter oficial dela, em 12 de outubro de 2014: “Tem coisas que eu não concordo, como mexer nos direitos do trabalhador e não abro mão nem que a vaca tussa! #Dilminha13”.

Aliás, Dilma passou a campanha inteira demonizando seus adversários, dizendo que Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) mexeriam nos direitos trabalhistas e previdenciários se fossem eleitos.

Algumas centrais sindicais também entraram nessa onda, como pode ser visto na primeira imagem acima. Será que as pessoas que estão atrás desses cartazes continuam rindo?! Alguns eu acho que sim, e bastante.

Obviamente que qualquer pessoa com o mínimo de bom senso (inclusive o próprio governo) sabia que isso era mais uma mentira deslavada. Afinal, este país está quebrado e precisaria urgentemente de medidas bastante impopulares para tentar corrigir o rumo desastroso que tomou. E num é que a vaca tossiu! (segunda imagem).

Para fechar o ano com chave de ouro, o governo anunciou uma série de medidas que tornarão mais rígidos o acesso dos trabalhadores ao abono salarial, seguro-desemprego, pensão por morte e auxílio-doença. Veja a seguir as principais mudanças:

ABONO SALARIAL

Ao invés de trabalhar apenas 1 mês e ganhar até 2 salários mínimos para receber este benefício, o trabalhador terá que trabalhar por, pelo menos, seis meses seguidos com carteira assinada.

SEGURO DESEMPREGO

Antes, o trabalhador podia solicitar o seguro-desemprego após trabalhar 6 meses, agora, será preciso trabalhar 18 meses.

AUXÍLIO DOENÇA

O prazo de afastamento a ser pago pelo empregador era de 15 dias. Agora, passará a ser de 30 dias. PENSÃO POR MORTE: o benefício era de 100% do vencimento e passará a ser de 50% mais 10% por dependente. Além disto, não havia necessidade de contribuição mínima para receber o benefício. Agora, será necessário comprovar o pagamento de 24 meses de contribuição previdenciária.

PENSÃO POR MORTE

O benefício era de 100% do vencimento e passará a ser de 50% mais 10% por dependente. Além disto, não havia necessidade de contribuição mínima para receber o benefício. Agora, será necessário comprovar o pagamento de 24 meses de contribuição previdenciária.

Essas mudanças só afetam futuros beneficiários, não atingem quem já recebe esses benefícios.

Apesar das medidas serem corretas e necessárias (sim, o governo está tomando medidas corretas!), o discurso anterior às eleições era exatamente o oposto. E é aí que mora o problema! Prometer uma coisa e fazer outra chama-se, no mínimo, propaganda enganosa (desonestidade, para ser mais claro).

O que dizer para os 55,7 milhões de enganados eleitores, que acreditaram que iria acontecer uma coisa e, depois das eleições, aconteceu exatamente o contrário? Se bem que alguns desses eleitores gostam de ser enganados (deve ser a síndrome do corno assumido). Com estas medidas o governo espera economizar cerca de R$ 18 bilhões.

O “engraçado” é que, recentemente, nossos queridos parlamentares se auto-promoveram! Todos eles ganharão um rechonchudo aumento em suas contas bancárias (em que seus salários passarão de R$27 mil para R$33,7 mil), o que impactará negativamente os cofres públicos em 3,8 bilhões de reais!

Diminuir os salários dos parlamentares, cortar ministérios, reduzir cargos comissionados, ou implementar controles mais rígidos nos financiamentos públicos, nem pensar, né?! Mas para meter a mão no bolso do trabalhador, não pensam duas vezes!

Feliz Ano Novo!


Otário Anonymous




0 comentários:

Postar um comentário

Followers

Google+ Followers

Leve nosso QR Code

Leve nosso QR Code